O mal do século*


a mediocridade é um câncer metástico que ninguém julga mortal

a mediocridade é um câncer metástico que ninguém julga mortal

 

 

Uma canção de Renato Russo – do último CD da Legião Urbana em vida, “A Tempestade – ou O Livro dos Dias” – diz que o mal do século é a solidão. Cada um ou cada época tem o seu próprio mal do século.

O mal do século desta época é a mediocridade.

 

Definição do dicionário online Michaelis:

Mediocridade: Substantivo feminino, do latin mediocritate,

1: Estado ou qualidade de medíocre. 2: Poucos haveres, mas suficientes; mediania. 3: Falta de mérito, vulgaridade. 4: Pessoa ou coisa medíocre.

 

Como um câncer pós-metástase, ela está impregnada em todas as atividades econômicas, na estrutura educacional, na engrenagem política, na produção cultural, na mídia e até mesmo nas convenções sociais da maioria das cidades, da maioria dos países do mundo.

Com um câncer assim, obviamente que o estado é terminal. Mas ainda é um câncer escondido, digo, em sua definição macro, já que, mais do que nunca, afeta seriamente o sistema. Sua evolução é medida com maior ou menor intensidade em comportamentos que, em princípio, parecem ser isolados. Mas não são.

A mediocridade impede o ser humano de ser melhor, seja em relação a ele mesmo, individualmente falando, seja em relação a outras gerações. E o que é pior, a cada ano o nível base, a mediania (como estava escrito no Michaelis), diminui, nivelado cada vez mais abaixo o senso comum.

Nascemos com o pecado original, mas ele não tem nada a ver com a maçã. Nosso pecado original é a ignorância, o batismo é o conhecimento. Saber cada vez mais é um antídoto para a mediocridade individual. Saber cada vez mais é a quimioterapia coletiva contra o mal do século. Porque alguém há muito tempo já havia sentenciado: conheça a verdade e ela te libertará.

Convoco a todos os leitores a combater a mediocridade que habita em cada um de nós.

Recruto a todos os leitores a combater a mediocridade que impera a nossa volta.

E a humanidade conhecerá a cura.

Amém.

 

 

 

 

*texto originalmente escrito para o blog literafics.blogspot.com