Minha coluna no jornal O ECO


Saudações senhores… a partir de hoje – e todas as semanas – vou publicar minha coluna semanal no jornal O ECO. Ela é impressa todos os sábados, logo, vou postar sempre na quinta ou na sexta pela manhã, seguindo os dead lines da produção. 

 

Em tempo, minha coluna é de humor, que eu batizei de Give Up Comedy, ou, humor sem graça. O nome é “Humortecido” 

 

CACHOEIRA VAI, CACHOEIRA VEM…
O Brasil deve ser o único país do mundo onde cachoeira tem “mão dupla”. O bicheiro ficou nove meses preso. Foi libertado (para desespero da opinião pública) e agora já responde a outra denúncia do Ministério Público. Vai ser preso de novo? Quem sabe? Agora é moda prender bandido grande.

 

E POR FALAR EM profissionais, a condenação de José Dirceu, José Genuíno e da “equipe administrativa” do esquema do mensalão, provocou o surgimento de uma nova associação de classe no Brasil: o Sincriproa (Sindicato dos Criminosos Profissionais Apolíticos). Dizem que aqueles que vivem de lesar o sistema vão fazer um protesto generalizado. A reivindicação da categoria? Não dividir o presídio com aqueles que vivem de lesar o cidadão.

 

ENQUANTO ISSO, O Brasil continua provando que é o paraíso da bandidagem, lesem a quem lesar. Nesta semana caiu na net a “cobertura” de uma festa realizada no presídio de Rio Verde, em Goiás. E o maluco ainda comemora a moleza no Facebook. “Ô vidinha mais ou menos essa minha”, exclamou!

 

 

O ÚNICO defeito das férias é que elas acabam. Durante as minhas férias, viciei em um programa da TRUE TV, chamados Stupids Suspects. A fixação por liberdade que os americanos sentem faz com que seja normal que um homem entre em uma loja de departamentos usando uma sacola na cabeça. E eu vi na TV o cara entrar, comprar uma barra de chocolate e depois assaltar a loja. Tudo isso, com uma sacola na cabeça.

 

NO BRASIL, um cara andando com uma sacola na cabeça vai ser baleado, isso é fato. Se não pela política, pelos bandidos.

 

VI AGORA NO Planeta Bizarro que um camarada foi preso por dar dois tapas em um cavalo da polícia. No Brasil, o último lugar para onde um sujeito desse vai é a delegacia.

 

NA MINHA VIAGEM de férias fui levar o bebê até o consultório do Coolidge, em Macatuba. Fiquei parado na reconstrução da Onsy Matheus e na minha frente tinha um Mercedão com uma frase na rabeira: “É mais importante divertir-se do que ser divertido”. Fato