Aconteceu nas eleições…


O ano era 2000, o jornal, a extinta Folha Popular. Naquele tempo trabalhávamos muito. Era normal, por exemplo, virar a noite na redação de quinta para sexta-feira, adiantando o fechamento. Fizemos bastante isso até descobrir que, na sexta pela manhã, os “inteligentes” do jornal chegavam e mudavam tudo.

Pois bem. Antes de descobrirmos que passávamos a toa as noites em claro de quinta para sexta, a chefia entra na redação e diz:

– Estão fazendo panfletagem anônima. Tem um grupo de 20 pessoas preparando o material lá no trevo do 295.

Aí o cara vira pra mim e fala:

– Vai lá, tira fotos.

Na maior das inocências, respondi:

– Melhor não eim? Os caras vão me espancar.

E a chefia respondeu:

– Ótimo! Tiramos fotos de você sangrando, com os dentes quebrados e estampamos na capa do jornal.

 

No fim das contas, acabei não indo, ou fui e não achei nada. Nem me lembro. Aliás, não me lembro sequer da tal da panfletagem. Só lembro que, naquele dia, perdi vários pontos com a chefia pela minha “falta” de coragem.