Darth Vader é Jesus Cristo? Leia e descubra!


Em 2003, o professor de História Social e História Antiga da USP (Universidade de São Paulo), Danilo José Figueiredo, publicou um artigo comparando Anakin Skywalker/Darth Vader a Jesus Cristo? Absurdo? Sacrilégio? O que, à primeira vista, podem parecer perguntas de respostas óbvias é, na verdade, um fio de manga que pode gerar bastante reflexão e debate.

Se não, vejamos. Anakin nasceu de mãe virgem fecundada pelos midiclorians, e o filme deixa clara a existência de uma profecia dizendo que, desta forma, nasceria um “escolhido” para trazer o equilíbrio à Força. Até aqui as histórias de Cristo e Vader são idênticas. Interessante mesmo é como Figueiredo explica como o vilão pode ser comparado ao salvador.

“Sobre a imagem de Cristo, e a partir dela, foi construída a imagem do Anti-Cristo, que seria tudo o que Cristo fora, às avessas. Anakin, foi construído Darth Vader, que era tudo o que Anakin deveria ter sido, mas às avessas. Anakin chega bem próximo da danação completa e fica em suas mãos o destino da Galáxia, mas ele opta por não destruir tudo e, matando o Imperador, o que representa a esconjuração do Diabo por Cristo no deserto, liberta-se da escuridão e salva a Galáxia. Porém, isso lhe custa a vida. Da mesma forma, Cristo morre na cruz depois de ser por uma última vez tentado pelo Diabo. Ele recusa novamente a tentação e, com sua morte (com o sangue da nova e eterna aliança) salva a humanidade”, diz um trecho da tese.

Em outras palavras, o professor afirma que a vida de Anakin Skywalker pode ser tomada como um universo alternativo, onde Jesus Cristo fraqueja e cede no episódio da Tentação no Deserto. E, não se pode negar (nem esquecer) que o jedi foi sim enganado pelo lado negro da Força, e corrompido por suas promessas de poder infinito. Mas tudo o que fez foi pela personificação de seu amor em Padmé.

O legado de Cristo para o mundo são suas lições de amor e paz; lições que, uma vez seguidas à risca, poderiam fazer com que a humanidade vivesse novamente num Éden, porém, boa parte das pessoas que se dizem Cristãs não agem nem em 5% de suas vidas como tais. Ao invés de tentar ajudar os outros, conviver em paz e ter o amor no coração; são as primeiras a apontarem o dedo para o próximo e enumerarem seus defeitos, são as que dizem que fulano não presta porque não tem Deus no coração, beltrano não presta porque cometeu não sei que pecado e assim por diante.

Se todos se dessem as mãos e vivessem em comunidades (ou melhor, em irmandades) como as que os sacerdotes adeptos do Socialismo Cristão dizem que os primeiros Cristãos formaram na Palestina, talvez então, e só então, a mensagem de Cristo (fosse ele o Messias, ou não) fosse posta em prática. Porém, enquanto houver uma pessoa querendo obter poder sobre outras, pensando em si antes de pensar nos outros e apontando o dedo para os outros para não ter que se olhar no espelho e enxergar seus próprios defeitos…

Bem, enquanto isso teremos que conviver com incongruências como pessoas não Cristãs que se comportam de uma maneira mais Cristã do que muitas que se dizem Cristãs, mas não agem como tais. Este texto tinha, em última instância, o objetivo, de comparando Darth Vader (o campeão do mal em Star Wars) a Jesus Cristo (o campeão do bem no imaginário Cristão) mostrar que a verdade (como diria Obi-Wan Kenobi) não é apenas o que se vê, seus olhos podem enganá-lo, pois a verdade não é nada além de “um certo ponto de vista”.

Quanto a Darth Vader, para os que ainda não haviam compreendido, seu sacrifício salva a Galáxia, mas como ele não deixou suas palavras em forma de pregação, seu legado é seu filho: Luke (do Latin Lux), a luz que saiu de dentro da escuridão. Vader cumpriu seu destino, encontrou o equilíbrio, pois este não está nem no bem, nem no mal, mas, como o próprio nome diz: no meio termo, na ponderação, não nos extremos, pois estes, quaisquer que sejam, pressupõem uma noção de verdade.